A história começou há dez anos.

Publicado em 14 de outubro de 2013

Reunidos em torno de uma mesa, alguns amigos discutiam a importância de valorizar a mitologia brasileira. Surgiu, então, a ideia de criar uma entidade que defendesse e disseminasse a riqueza de uma cultura nossa, pouco conhecida de nossas crianças, bombardeadas pelos estrangeirismos da televisão e dos vídeo games – principalmente, norte-americanos e japoneses.
 
Foi assim que nasceu a Sosaci - Sociedade dos Observadores de Saci. Por que o Saci? De fato, a intenção dos fundadores da sociedade era valorizar os mitos brasileiros, e não um único – tanto é assim que a festa que a Sosaci realiza anualmente chama-se Festa do Saci e Seus Amigos. Mas a escolha do Saci tem explicação.
 
O mito do Saci nasceu, há cerca de 200 anos, com os indígenas Guarani, na região de Missões, fronteira com a Argentina e Paraguai. Na época, o Saci era um curumim, tinha um rabo e aprontava do jeito que se conhece até hoje. Com o passar do tempo, os Guarani migraram para o litoral e ali o mito do Saci se identificou com a cultura africana, quando virou um negrinho, ganhou um pito e perdeu uma perna (dizem que um senhor de escravos muito mau o prendeu com uma argola de ferro e ele cortou a perna porque não se conformava em perder a liberdade). Finalmente, o mito do Saci também ganhou o apoio dos europeus, na forma do gorrinho vermelho que lhe dá a força. Portanto, a escolha do Saci baseou-se no fato de que esse mito é a fusão da cultura indígena, com a africana e com a europeia – fusão que sintetiza a brasilidade.
 
Agora, em 2013, comemora-se a 11ª Festa do Saci e Seus Amigos, uma festa na qual se celebram as brincadeiras de criança – das quais o Saci sempre participou com muito gosto – e a luta contra a invasão de estrangeirismos que destroem a nossa cultura.
 
Confira  a programação completa no documento em anexo e visite o sitio www.socaci.org.
 
Texto Jô Amado / Ilustração Ohi