A nova Gripe A (H1N1) em São Luiz do Paraitinga

Publicado em 3 de setembro de 2010

Temas

Por Jayme Fontoura Souza Médico da Santa Casa de São Luiz do Paraitinga:

Diante da atual situação epidemiológica da Infuenza A, é de suma importância esclarecer à população as novas orientações referentes ao manejo da situação da epidemia mundial da nova gripe.

Curiosamente, este novo vírus é uma “mistura”, uma recombinação de três vírus, o da gripe humana, o da aviária e o da suína. Assunto de grande destaque na mídia nos últimos meses, causou grande impacto nos hábitos e até mesmo certo pânico generalizado na população.

Embora tenhamos notícias de que o número de casos está diminuindo no país, observamos um aumento significativo na procura ao Pronto Atendimento da Santa Casa de São Luiz do Paraitinga, com um aumento de 15% a 20% no número de consultas diárias. Cabe ressaltar que não tivemos nenhum caso grave ou de morte, e na verdade não temos nem como provar que nenhum deles era da “nova” ou da “antiga” gripe.

Ate 16 de julho, a estratégia de enfrentamento desta epidemia, foi baseada em medidas de contenção - identificação precoce, tratamento e isolamento de casos e no seguimento de seus contatos próximos. No cenário atual, esta estratégia perde importância e efetividade, fenômeno já esperado pela grande disseminação da doença, requerendo medidas mais integradas de monitoramento da situação epidemiológica e de priorização aos casos graves ou com potencial para complicações. Isto quer dizer que só é feito exames especifico para identificação do vírus nos casos que evoluem com gravidade, a chamada doença respiratória aguda grave e daquelas pessoas que são consideradas de risco de complicações (gestantes, menores de 2 anos ou maiores de 60 anos de idade, pessoas com doenças crônicas ou com de ciência do sistema de defesa).

Como na maioria dos casos esta gripe apresenta manifestações com sintomas leves e com baixa letalidade, não está indicada realização indiscriminada de exames, internação ou de uso de medicamentos. O melhor é evitar contato próximo com pessoas doentes, cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar, lavar as mãos freqüentemente, evitar tocar os olhos, o nariz e a boca, não compartilhar alimentos, copos, toalhas e objetos de uso pessoal.